31/12/2010

PSS 2011

Utilidade Pública:

Estão abertas as inscrições para o Processo Seletivo Simplificado (PSS 2011) no estado do Paraná.

Vagas abertas para cargos do setor administrativo e para professores substitutos em várias modalidades: séries iniciais do ensino fundamental, ensino médio, ensino profissionalizante, línguas estrangeiras modernas (LEM), professor interprete de libras, dentre outros.

Maiores informações vocês adquirem no site dia Dia a Dia Educação e as inscrições, que seguem até o dia 12/01/2011, podem ser feitas pelo site www.grhs.pr.gov.br

Fiquem de Olho !

Feliz 2011


Simples Assim !!
Muito $$ no bolso, saúde, paz e amor pra todos os leitores do blog !!

25/12/2010

Meu Lindo Enfeite de Natal

Catarina é uma dessas peças raras... daquelas que 1 em 1 milhão de pessoas tem. Portanto não é pra qualquer um aguentar esse monstrinho...

Mesmo sendo linda ela dá um trabalho do cão =S

Corre, pula, morde tudo e principalmente os pés de quem quer que seja. Catarina tem problemas sérios de comportamento.

E acho que ela tem inveja das bolinhas de natal, daquelas que a gente pendura no pinheirinho, sabe ??!!

Ela vive subindo no coitado do pinheiro pra derrubar as suas rivais.

E consegui registrar em vídeo uma de suas agressões. Claro que na frente das câmeras ela se comportou... mas que é uma meliante isso é !!



E com essa desejo à todos que passam por aqui um Feliz Natal !!

Muitas alegrias, realizações, paz e amor !!

23/12/2010

Cher fala sobre o filme 'Burlesque'

Por CINDY PEARLMAN


Do Hollywood Watch

Cher não precisa de apresentação. Quando a mulher de 64 anos, tida por alguns como lenda do show business, entrou na sala, mostrou que estava no comando. Ainda assim, segundo sua própria confissão, sentia certo pavor. “Estou sempre apavorada quando inicio alguma coisa na minha vida. E então eu vivo o momento e percebo que tudo ficará ok”, diz.

Estrela desde meados dos anos 60, quando os gostos musicais mudaram e a separação da parceria com Sonny Bono ameaçaram relegá-la à irrelevância, ela se reinventou como atriz, impressionou os críticos da Broadway e conquistou um Oscar de melhor atriz por “Feitiço da Lua” (1987). Hoje ela ainda mantém uma condição física impressionante – chama a si mesma “a garota mais velha com o cabelo mais comprido e roupa mais curta”– e está chegando às telas de cinema com seu primeiro filme em uma década.

Em “Burlesque” ela é Tess, a proprietária de uma casa de dança burlesca na Sunset Strip, com Stanley Tucci como o diretor artístico que ajuda a descobrir uma novata talentosa (Christina Aguilera). Os talentos da jovem e sua personalidade logo causarão alvoroço na casa noturna. O filme, e uma recente temporada em Las Vegas, estão sendo chamados de o grande retorno de Cher, algo que a incomoda. “Eu não fui a lugar nenhum. De onde eu voltei, de Plutão? Ninguém sabia onde eu estava?”

Há 27 anos, no set de “Silkwood –O Retrato de uma Coragem” (1983), Cher era a jovem cantora tentando estabelecer suas credenciais como atriz e Meryl Streep era a estrela. Hoje, Cher é a estrela estabelecida e Aguilera, a princesa do pop, é a artista tentando fazer a transição. Em uma entrevista separada, Aguilera diz que deixou claro que faria qualquer coisa para dividir a tela com Cher. “Eu entrei na sala para conhecer a Cher e disse: ‘Oi, eu sou aquela que disse que beberia a água do seu banho’”. E o que Cher respondeu? “Eu vou dizer para você o que Meryl Streep me disse no set de ‘Silkwood’.”, e Aguilera continua: “‘Bem-vinda. Fico feliz por você estar aqui’”.

Falando seriamente, Cher confirma a fala de sua colega de elenco. “Isso me lembrou do relacionamento que eu tinha com minha boa amiga Meryl Streep, quando nos conhecemos e Meryl me colocou sob suas asas no set do filme”, diz Cher. “Eu nem mesmo tinha ideia de onde me posicionar. Não que eu já saiba onde me posicionar – eu acabei de aprender o que é ‘downstage’ (na frente do palco).” Do fundo da sala, uma voz se intromete.“Mas ela sempre soube o que é ‘upstage’ (roubar a cena)”, diz Tucci, que estava de passagem.“Touché, Tucci”, responde Cher alegremente.

Quanto a interpretar a diva que está envelhecendo e que é uma espécie de figura materna para as artistas mais jovens que estão roubando seu espaço, não foi preciso muito esforço para Cher. “Foi estranho. Foi difícil interpretar alguém que apóia as garotas jovens, ciente de que é isso o que está acontecendo na minha vida real. Eu tenho que dar espaço. Não que eu esteja fazendo isso graciosamente – você terá que me arrastar, com força.”

Seu grande número de dança mostra o quanto ela ainda é capaz, mas não foi tão fácil quanto seria há uma geração. “Há uma cena onde Stanley Tucci me ajuda com meus sapatos e eu grito, ‘Ai’. Na vida real, eu estava pensando: ‘Ai, meus pés, minhas costas, meu ombro’. Eu estou velha! Eu passei minha vida toda me arremessando, dançando e caindo e sendo derrubada por dançarinos.” Cher nasceu Cherilyn Sarkisian LaPiere em El Centro, Califórnia. Sua mãe, Georgia Holt, atualmente com 84 anos, criou Cher sozinha após a partida do pai dela –apesar de ela ter se casado com ele três vezes diferentes entre seus oito casamentos.

Impressionada pelo show business desde a infância, Cher abandonou a escola no último ano do colegial e se matriculou em cursos de interpretação e canto. Em 1963, ela conheceu Sonny Bono e o resto é história, incluindo o casamento deles em 1964, a série de televisão e seus 11 sucessos na parada Billboard de 1965 a 1972, mais notadamente “I Got You Babe” (1965). Após o divórcio deles em 1974, Cher derrubou os céticos da cadeira ao estabelecer uma carreira solo que agora é mais longa e mais bem-sucedida do que a década que ela passou com Bono.

Sua vida privada também sempre foi altamente pública, com as manchetes mais recentes envolvendo a operação para mudança de sexo de sua filha, Chastity, em 2009. Cher se adaptou facilmente ao anúncio de sua filha, em 1995, de que era lésbica, mas reconhece ter dificuldades com a mudança de sexo e a mudança de nome para Chaz Bono.“Eu ainda tenho dificuldades em dizer ‘ele’ ou ‘ela’”, reconhece a atriz. “O mais importante é que seja feliz.”

Tradução: George El Khouri Andolfato
Fonte: UOL Cinema

22/12/2010

Obama assina lei que derruba proibição a gays assumidos nas Forças Armadas dos EUA

O presidente Barack Obama sancionou nesta quarta-feira a lei que revoga a proibição de gays assumidos servirem nas Forças Armadas dos Estados Unidos. Em um discurso muito ovacionado antes da assinatura, Obama agradeceu diversas vezes a todos os envolvidos na derrubada ao veto que vigorava há 17 anos e disse que ter gays entre os militares vai fortalecer a segurança nacional.

"Eu estou muito feliz. Este é um dia muito feliz. Eu quero agradecer a todos vocês, especialmente às pessoas neste palco. Cada um de vocês trabalhou tão duro nisto", disse Obama, que gaguejou de início.

Diante de uma plateia de militares, o presidente lembrou a história de um militar americano que, há 66 anos, durante a Segunda Guerra, foi salvo por um colega na Europa. Anos depois, eles decidiram se reencontrar e ele descobriu que devia sua vida a um homem gay. "Ele não tinha ideia e francamente não ligava. Ele sabia que só estava vivo e só voltara para cuidar de sua família por causa do amigo", disse Obama.

O presidente afirmou ainda que diminuir um militar por sua sexualidade é como diminuir por questões de religião, raça ou crença --todas essas vetadas nas Forças Armadas dos EUA.

"Esta manhã eu estou orgulhoso em assinar a lei que vai acabar com o Não pergunte, não conte", afirmou. "Esta lei [...] vai fortalecer nossa segurança nacional. Milhares de pessoas foram obrigadas a deixar as Forças Armadas, não importa sua competência ou bravura, por sua sexualidade. Nenhum mais será obrigado a viver uma mentira, olhar por trás dos seus ombros".

Obama garantiu ainda que a lei, agora sancionada, será aplicada de maneira rápida em todo o país. "Nós não vamos arrastar nossos pés nisso".

PROCESSO

Em vigor há 17 anos, a política conhecida como "Don't Ask, Don't Tell" ["Não pergunte, não conte", em tradução livre] determina que as Forças Armadas não devem perguntar aos militares sobre sua orientação sexual, e os militares não devem divulgá-la.

A revogação da política entra em vigor 60 dias após ser sancionada por Obama, por Gates e pelo almirante Mike Mullen, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas.

O secretário de Defesa, Robert Gates, apoia o fim da proibição, uma das principais promessas de campanha de Obama, e cita um estudo recente em que os militares concluíram que a revogação gerava poucos riscos.

Na última quarta-feira (15), a proibição foi derrubada pela Câmara dos Representantes (deputados), deixando nas mãos do Senado o passo final para enterrar a atual política.

No sábado (18), o Senado também derrubou a proibição, em uma decisão histórica comparada por muitoscom o fim da segregação racial no meio militar dos EUA.

A decisão representou uma reviravolta, já que há poucos dias o Senado havia bloqueado uma tentativa de votação do fim da política --levantando temores de que ela não seria novamente reconsiderada antes do próximo ano.

O Pentágono deve agora elaborar um plano para a aplicação das regras alteradas, além de decidir como as tropas serão instruídas sobre a nova política e como ficam os processos disciplinares, os benefícios e o status de quem foi demitido por violar as regras atualmente em vigor, segundo o coronel David Lapan, porta-voz do Departamento de Defesa.

OBSTÁCULO

Alguns críticos dizem que o Pentágono pode demorar a adotar as novas regras, numa concessão ao ceticismo interno.

"Este é um obstáculo político por parte dos comandantes. Os militares poderiam revogar a proibição de amanhã se quisessem, mas isso não vai acontecer", disse Aaron Belkin, diretor do Centro Palm, da Universidade da Califórnia, Santa Barbara.

Alguns oficiais de alta patente, como James Amos, comandante dos Marines, são contra a mudança, alegando que ela cria riscos para a estabilidade das Forças Armadas num momento de sobrecarga para os militares nas guerras do Iraque e Afeganistão.

Geoff Morrell, secretário de imprensa do Pentágono, negou que os comandantes tenham a intenção de protelar a reforma.

PESQUISA

Recentemente, um estudo desenvolvido pelo Pentágono revelou que derrubar a lei que proíbe homossexuais assumidos nas Forças Armadas causaria um pouco de perturbação no início, mas não traria problemas disseminados ou de longo prazo para os EUA.

O estudo revelou que 70% dos militares acham que derrubar a lei teria efeitos mistos, positivos, ou nenhum efeito, enquanto 30% preveem consequências negativas ou demonstram preocupação. A oposição foi maior entre os militares de combate, com 40% dizendo ser uma má ideia. O número subiu para 46% entre os fuzileiros navais.

A pesquisa foi enviada para 400 mil militares, dos quais 69% disseram ter trabalhado com alguém que eles acreditam ser gay ou lésbica. Desses, 92% disseram que o trabalho em conjunto foi muito bom, bom, ou nem bom nem ruim, segundo as fontes citadas pelo jornal 'The Washington Post'.

As unidades de combate deram respostas semelhantes: 89% das unidades de combate do Exército e 84% das unidades de combate dos Fuzileiros Navais disseram ter tido experiências boas ou neutras ao trabalhar com gays ou lésbicas, revela o 'Post'.

Um recente relatório de um grupo de trabalho do Pentágono recomendou que não haja banheiros ou chuveiros separados para militares homossexuais, e que alguns benefícios, como assistência jurídica gratuita, poderão ser oferecidos para casais do mesmo sexo.

LEI

A lei foi criada em 1993 por Bill Clinton. Ele prometera, logo após a eleição, derrubar o veto aos gays no Exército, criado durante a Segunda Guerra (1939-1945).

Sem apoio do legislativo, o projeto tornou-se um veto indireto: os militares gays e bissexuais podem servir, desde que escondam sua sexualidade. Desde então, cerca de 13 mil foram dispensados das Forças Armadas sob a lei.

Apesar de a maioria das dispensas serem resultado de militares gays se assumindo, grupos de defesa dos direitos gays dizem que isso foi usado por colegas de trabalho vingativos para fazer alarde sobre soldados que nunca fizeram de sua sexualidade um problema.

Mudar a lei foi uma das promessas de Barack Obama em sua campanha presidencial em 2008.

No mundo todo, 29 países --incluindo Israel, Canadá, Alemanha e Suécia-- aceitam soldados assumidamente gays, segundo a Log Cabin Republicans, um grupo defensor dos direitos gays.

Fonte: Folha.Uol

--

17/12/2010

O Medo

Ja diz o velho ditado: QUEM TÊM, TEM MEDO!

E hoje navegando pela net encontrei um texto muito bom, de fácil compreensão e que pode nos dar um maior entendimento dos medos que sentimos. Porque todo mundo tem medo de alguma coisa, seja de uma situação, de uma pessoão, de um animal... de si mesmo.

Enfim, quem têm, tem medo!!

O Medo

*Por Ana Mayra Kaefer

" MEDO "

O medo é uma emoção que sinaliza ao homem a existência de um perigo, de uma ameaça (real ou imaginária), positiva ou negativa. A necessidade do homem em sentir-se protegido e seguro é natural. Porém, o medo ou a fobia muitas vezes tem o poder de paralisar e impedir o crescimento pessoal ou profissional, que através deste, o indivíduo pode esconder-se de si mesmo, das relações com o próximo, de sonhar, inovar, arriscar, crescer, entre outros. O medo se apresenta em várias situações. Algumas pessoas têm medo de andar de avião, ficar sozinho, falar em público, do futuro, de sonhar, etc. E existem alguns medos que são classificados como fobias, como por exemplo: claustrofobia (medo de lugares fechados), acrofobia (medo das alturas), agorafobia (medo de lugares públicos, situações sociais), entre outros. Para facilitar, poderemos classificar o medo em formas e níveis diferentes: natural, traumático ou fóbico.

Medo natural: O medo natural tem como objeto principal um perigo (fato ou situação) que realmente atinge seu bem estar e provoca males. Muitas vezes é possível vencer o medo natural através da fé e da coragem ou confiando no gesto de apoio do outro. O medo natural pode ter a função de sinalizar ao homem sobre um perigo ou ameaça eminente e assim contribuir para proteção deste. Com isso, procura abrigo e proteção.

Medo traumático: Este é o forte medo desencadeado por situações traumáticas, que marcaram a vida ou imaginado pela pessoa dessa forma. Esse medo também pode se apresentar como uma ausência de coragem e forte dificuldade em lidar com as perdas que já sofreu, pensa-se que irá reviver as mesmas situações. Há casos em que se manifesta através de um forte desânimo ou depressão, trazendo barreiras ou impedimentos ao crescimento pessoal e profissional. Há profissionais que por medo, escondem seus talentos, limitando seus potenciais e crescimento, ou seja, não acreditam em suas potencialidades e assim, vivem frustrados e não investem no aprimoramento de suas habilidades e competências. Na verdade, alguns nem acreditam que as têm.

Fobia: A fobia pode ser considerada como uma grave angústia que apresenta sensação de ansiedade; imobiliza e restringe o indivíduo. O fóbico vivencia verdadeiro tormento e pânico diante do objeto temido ou situação, que nem sempre apresenta um perigo real. A fobia é um tipo de medo excessivo e irracional de algo específico, provocando ação de evitar a qualquer custo este encontro desconfortável.

Pode apresentar os seguintes sintomas fisiológicos: aceleração cardíaca e de respiração, sudorese, secura na boca, tensão muscular e tremores. Quando o indivíduo está diante de uma situação ou circunstância por ele temida, ocorre um desequilíbrio de substâncias (serotonina e dopamina) no cérebro. Esta pode ser uma reação normal que possibilita ao indivíduo enfrentar, defender-se ou fugir, preservando assim seu equilíbrio e/ou integridade física. No entanto, no caso da fobia, a situação normalmente não representa um perigo real. Pelo menos na proporção imaginada.

Estas sensações de ansiedades, as conhecidas e controladas, são comuns para muitos profissionais que interagem diretamente com um público, tais como: atores, palestrantes, consultores, mestre de cerimônias, ou seja, um profissional ante uma platéia sente estes sintomas fisiológicos, em maior ou menor grau de intensidade, que pode se manifestar de 1 a 5 minutos no início de sua apresentação, tempo este em que o orador experiente supera e controla estas reações. Graças a Deus temos estas sensações, que compreendidas e controladas, fazem parte do sucesso de grandes oradores. Haja vista, que uma boa comunicação, também é carregada de fortes emoções.

Superação: Há possibilidades de vários tratamentos àqueles que vivenciam questões relacionadas ao medo, inclusive nos modelos bíblicos existem várias referências, as do bem estar, aos pontos negativos para reflexão, como no caso de Adão, onde aprendemos a recuar, a nos esconder, a temer os castigos, a desconfiar de Deus, a não acreditar no próximo, a agredir e a trair. Mas também com Jesus, aprendemos a respeito do AMOR, da fé, da coragem, do perdão... Se temos a figura de Adão como perdido, confuso, culpado e atemorizado, também temos a figura de Cristo que enfrentou situações terríveis: afrontas, traição, julgamentos, rejeição, desprezo, solidão, dores e a morte.

É preciso ter atitudes de coragem para mudar de comportamento e enfrentar o novo, se arriscar, mesmo sabendo que as dificuldades, perdas e frustrações possam surgir. Afinal, Cristo foi único, nós Humanos, a partir do medo, podemos evitar desfechos tão extremos.

É importante aprendermos a lidar com todos os tipos de medo. O medo natural é utilizado como um mecanismo para nos defendermos, e muitas vezes é necessário para nossa proteção. O medo traumático ou fóbico pode ser um sinal de que algo não está bem, ou seja, é a existência de um conflito interno que precisa ser analisado e tratado. Para os casos mais graves, o processo terapêutico pode ser uma alternativa de solução, possibilitando assim a superação deste obstáculo.

*Ana Mayra Kaefer é psicóloga, especializada em sexualidade.

Fonte: Ana Mayra Kaefer (Blog)

02/12/2010

É hora de dar Tchau !!

Alôôôô Graduaçãaaaaaaaaaaaaaao !!

É HORA DE DAR TCHAU !!

Fica a saudade e as lembranças boas, juntamente com as belas amizades que foram construídas lá.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...